29 de julho de 2011

Cento e vinte

Cento e vinte é o número oficial de créditos que tenho neste momento, algo que me transporta a 100% para um terceiro ano de faculdade cheio de trabalho mas de empenho num futuro há muito esperado.
A felicidade seria mais se a média fosse um só valor maior, algo que me ajudaria a garantir uma bolsa de doutoramento, e além disso, se os preços dos passes não estivessem a aumentar. Pois já a partir de Setembro pagarei cerca de 90€ mensais para me deslocar para a faculdade, algo medonho para alguém que recebe só 2,5 vezes mais que isso mesmo.

Entre outras novidades gostaria de revelar que o acesso ao curso de Engenharia Química e Bioquímica na FCT-UNL ficou facilitado pela eliminação de um critério que é o exame de matemática, deixando de ser obrigatório. Ao principio achei cómico não se exigir matemática para um curso de engenharia (que é em si só uma disciplina apesar de se lhe pendurarem químicas e físicas e nanos e biocoisas).
Depois lembrei-me das palavras de uma pessoa: "nós não fazemos concorrência às outras faculdades". As palavras são fáceis de proferir, as acções demonstram logicamente o contrário. O mesmo curso no ISEL exige sempre matemática e tem a opção de curso nocturno. O curso de Engenharia Química no IST além da elevada média de entrada também exige a matemática dos seus candidatos.

Continuo a gostar da minha faculdade. Mas não consigo deixar de me sentir desiludido com algumas opções que a mesma adopta. Mais fundamentos para o facilitismo, uma epidemia que se espalha do ensino secundário para o universitário. 
Como serei eu visto, dentro de uns anos, se as mesmas políticas continuarem a ser aplicadas nesta faculdade, sendo que as demais instituições primem por uma excelência que a nossa ignora?

Espero que não seja tarde para um dia esta faculdade voltar atrás nestas opções que considero erradas.
Links:

15 de julho de 2011

Férias

Hoje estou oficialmente de férias, e parece que vou continuar na curta lista (de 3 ou 4 elementos), de geeks, sem cadeiras em atraso! XD
Boas férias, boa praia e bons festivais de verão!!!!

3 de julho de 2011

Fim do 4º semestre

Das cinco cadeiras deste semestre, três estão feitas de forma confirmada. Uma, ainda me falta: química física II, pois quando devia estar a estudar para o exame normal estava com uma bela insolação. Assim lá fui eu passear ao exame, ver as perguntas típicas, o  que me saiu caro pela vergonha de me ter esquecido da máquina gráfica no auditório e de ter recebido mail do professor para a ir buscar (tenham em conta que tinha “auxiliares de memória” na máquina, mas nem era minha intenção usá-los -- raramente os uso, faço-os sempre).

Entretanto, quanto a Biologia Molecular, cadeira cujo exame foi há mais de duas semanas, ainda não sei se passei ou não pois as notas insistem em não sair.

Soube agora que os professores apenas têm obrigação de publicarem os resultados dos exames de época normal até 3 dias antes do de recurso. Esta mentalidade, a de um professor se permitir deliberadamente de chegar ao limite do prazo é irresponsável, no mínimo.

Em cadeiras com 200 alunos, sabendo que a maioria vai a exame normal, muitos, pelos mais diversos motivos, quererão rever a prova antes do recurso. E quanto mais cedo melhor! Pois não me parece humanamente possível um professor “atender” cerca de 200 alunos em dois dias, antes do exame de recurso. Isto leva aos maus resultados, às reprovações, e aos facilitismos em anos posteriores (como acontece em Elementos de Análise E Álgebra I e II em que alunos chegaram a ter 20,5 valores num teste(!)).

Lamento estar a escrever isto no meu blog. Aliás, sinto repulsa. Mas esta é a vida de um universitário: eu. A faculdade que frequento, pela qual nutro um carinho especial, sofre com as atitudes de cada um. Atitudes individuais que geram desordem (ou entropia citando o termo do professor Abel). Estas posições face às responsabilidades levam a faculdade para rankings cada vez mais baixos, pois esta não é feita das médias dos alunos mas sim da qualidade com que estes desempenham as capacidades, adquiridas no mundo académico, em ambiente de trabalho.