27 de março de 2010

Artscist, BEST e outras coisas… Muitas...

Já estamos a mais de meio do prazo das inscrições dos dois eventos, BEST Summer Courses e o Artscist do Hulda Festival… E eu já me inscrevi!

Bem… Agora para o artscist tenho que fazer um projecto que alie ciência e arte de uma forma apelativa… Quando, e se conseguir fazer tudo antes do prazo deixo aqui o projecto. =)

Já para o BEST tenho que fazer uma carta de motivação de modo a que me seleccionem para ir fazer um curso científico de 15 dias num país da Europa; mais apelativo ainda é que só se pagam 15€. XD


Outras coisas…

Não sei o que é ser sem-abrigo, felizmente nunca tive esse azar, mas por vezes sinto-me um pouco sem ter para onde voltar. E nem digo ao fim do dia, na minha casa, pois sinto-me muito bem nela. É mais uma sensação de não-pertença, de que eu

não encaixo muito bem no mundo que me rodeia, como se não houvessem lugares para mim.

Não sou muito mais velho que os meus colegas universitários, mas talvez o suficiente para me aperceber que já há coisas às quais não dou importância, e talvez porque já não tenho a energia que eles têm para formar aqueles grupos “tertúliences” em que se discutem as vidas alheias e se ri à fartazana de coisas que considero voláteis.


Mais de outras coisas…

A minha carência de tacto para os amigos aumenta a cada dia que passa, mas culpo-os também a eles por isso…

Todos temos formas de manifestar os nosso problemas, e todos temos efectivamente problemas. Onde estão os amigos quando precisamos deles? Eles nem existem, ou não teriam tanta facilidade em cagar para nós. Pelo menos é o que acho de algumas pessoas que me rodeiam. Também é uma pena, a forma como de um momento para o outro as pessoas se podem tornar fúteis e desinteressadas.

20 de março de 2010

No dia 24

No dia nacional do estudante haverá uma manifestação estudantil.
Na questão central estão as propinas. Concordo de facto que é muito difícil de pagar cerca de 1000€ de propinas anuais, ainda para além de todos os materiais e livros necessários para cada cadeira.

No entanto não irei à manifestação… Tenho que fazer o preço que paguei valer a pena, e estudar no duro para poder ser algo mais. Além disso, desagrada-me imenso a atitude dos estudantes activistas: manifestam-se contra o que acham injusto, mas vandalizam a via pública para escrever “24 de Março Superior em Luta” nos muros.

Será que vão limpar as porcarias que fazem depois da manifestação?

8 de março de 2010

A ciência no nosso passado

Tenho-me dedicado a livros de um certo interesse cientifico e/ou histórico. O último que li: O Tio Tungsténio de Oliver Sacks é delicioso. Uma verdadeira jornada química, em que o leitor é levado a conhecer o crescimento mental de uma criança à medida que esta descobre a química da mesma exacta forma que os “arquétipos” clássicos, desde Lavoisier até Schrödinger (onde a criança abandonou a química e entrou na puberdade). Depois desta experiência segui para um novo livro: The Age Of Wonder, de Richard Holmes. Ainda estou no inicio mas já se mostra um livro muito promissor, que já me captou bem a atenção com a viagem de Joseph Banks no Endeavour (numa expedição cientifica)…

Isto faz-me reflectir… Que temos nós de background histórico cientifico em Portugal? Na nossa história apenas me lembro das conquistas e das colonizações. Ao ler estas obras de que falei acima apercebo-me de uma enorme “Gap” de conhecimentos que deverá existir entre os jovens universitários portugueses e os britânicos. Estes deverão ter um conhecimento debruado de um passado dourado em conquistas científicas, que lhes deverão dar a confiança que o normal português nunca tem, para alcançarem ambiciosos objectivos. Eu, enquanto português, vou inverter essa situação para mim.

Motivador não é? ;)

Joseph Banks 13/02/1743 — 19/06/1820, naturalista e botânico.