25 de maio de 2011

ACORDEM

Texto Acordem, do Professor Grégoire Bonfait. Haviam de ser todos como ele.

"Caros alunos,
Recebi uma mensagem quase-anónima durante a semana passada (quase-anónima no sentido que foi enviado a partir dum endereço e-mail duma pessoa que aparentemente não está inscrita a FG, nem na FCT... ). Respondi a esta mensagem, perguntando com quem estava a falar, não obtive resposta: Meto medo? O teor desta mensagem era basicamente uma queixa sobre as variações de critérios de correcção entre as avaliações semanais corrigidas pelo Prof. João Cruz (JC) e as corrigidas por mim (GB). Por outro lado, soube também que alguns alunos queixaram-se que os exercícios de avaliação duma turma são mais difíceis que os duma outra...

Vamos a isto:
1) Critérios de correcção do Prof. JC mais severos que os meus (GB)?

Provavelmente que os alunos que alegam isto se basearam sobre uma comparação das notas entre as turmas TP1 e TP2 que têm os mesmos exercícios de avaliação. Cedo, vimo-nos (JC e GB) confrontados com esta diferença significativa de notas entre estas duas turmas. Para verificar se um professor era mais severo que outro, corrigi uma vez as avaliações semanais das duas turmas (mesma avaliação). As minhas notas confirmaram esta diferença: As notas da turma TP1 foram efectivamente significativamente inferiores às da turma TP2. Dito duma outra maneira, os alunos da turma TP1 ou trabalham (ainda) menos que os da turma TP2, ou têm bases em matemática ou em física (ainda) mais fracas. Porque é que isto pode acontecer? Pode ser por acaso (neste caso, chama-se a isto uma “flutuação estatística” no sentido que, a priori, todas as turmas deviam ter em média o mesmo nível. Isto acontece muitas vezes e qualquer professor vos dirá que as vezes tem “boas turmas” as vezes turmas “piores”), pode ser por haver “alunos que estragam o grupo” (“dinâmica de grupo negativa”) e outras razões deve haver... Neste caso preciso, desconheço a razão mas como explicarei mais adiante, pouco interessa... Por outro lado, como se pode verificar, a média dos alunos da turma TP4 ( Prof. JC) é muito melhor que a média da turma TP1 ( Prof. JC), ultrapassando em muitos casos a média da turma TP2 (GB)... “Se calhar”, não são bem os professores os “maus da fita” como alguns parecem estar prontos a entender ... O prof. JC põe a disposição dos alunos as avaliações para os alunos poderem corrigir no futuro os erros a não fazer/repetir... Em vez de ralhar e de comparar, e de se lamentar sobre a injustiça da vida, mais eficaz, com certeza, seria de trabalhar durante a semana. Ficariam menos “à rasca”.

2) os testes duma turma são mais difíceis que os duma outra .

Parece que este problema foi muito agudo na avaliação 9. Na avaliação TP1/TP2, havia uma derivada quando na avaliação TP3 era “só preciso” substituir... Vejamos: Na avaliação semanal nº9 das turmas TP1/TP2, era preciso 
1) Calcular o comprimento duma hipotenusa sabendo o comprimento dos dois outros catetos (=(a2+x2)1/2) .. Credo! 
2) Saber derivar ((a2+x2)-1/2)... “Por acaso”, esta mesmíssima função tinha sido derivada na semana anterior...
Quem sabia ultrapassar estas duas “grandes dificuldades”, já tinha 3 valores (/5...). A pergunta seguinte (1val) também tinha sido resolvida a semana anterior. A avaliação semanal nº9 das turmas TP1/TP2 tinha só este exercício enquanto as das outras turmas tinha dois...
É evidente que devendo fazer 3 avaliações diferentes por semana, pode acontecer que, as vezes, os exercícios a resolver possam parecer significativamente diferentes (uma “leva uma derivada”, a outra não!...) com dificuldades diferentes. Se isto aconteceu, em média, os graus de dificuldades foram muito semelhantes. 

Na realidade, o que acontece, é que uma grande parte de vocês não trabalham FG fora das aulas e, evidentemente, neste caso, TUDO parece difícil! até calcular o comprimento duma hipotenusa... No início das minhas aulas TP, costumo salientar alguns do que chamo “erros estúpidos” (cf. pautas TP2/TP3) que podem acontecer de vez em quando. Não é isto que é grave. O que é grave, é repetir vezes sem conta os mesmos erros i.e. nem fazer o esforço de perceber o erro ou de não repeti-la... O que é grave é participar a estas avaliações como se o resultado tivesse pouca importância. O que é grave é pensar que chumbar não tem consequências ... (e... sobre isto a FCT, se calhar, é um pouco permissiva... mas isto é uma outra história). 

Há alunos (e não são tão poucos como isso) que estão nesta posição completamente passiva e amorfa. Estes alunos atrasam e/ou perturbam os outros. Estes alunos ocupam inutilmente espaço e gastam inutilmente recursos humanos e materiais. 
Estes alunos desperdiçam o dinheiro da FCT, i.e. o dinheiro que vem das propinas (do próprio aluno mas também de todos os outros colegas) e que vem dos impostos pago por pessoas que não têm responsabilidade na atitude irresponsável destes alunos. Estes alunos comportam-se como parasitas...

E, de parasitas, pelos tempos que correm, Portugal não precisa.
Acordem!
Cumprimentos,

Prof. Grégoire Bonfait"

20 de maio de 2011

O cheiro da terra

Sabem aquele cheiro repentino a terra molhada quando chove num chão quente? Acontece muito por esta altura, e é um cheiro de que gosto imenso. Este é devido à geosmina, um químico libertado por várias bactérias, tais como a Streptomyces griseus.

17 de maio de 2011

EuroBachelor

Licenciatura com certificado internacionaleurobachelor.jpgA Licenciatura foi certificada com a qualificação internacional Eurobachelor®.
A obtenção do certificado resultou de uma avaliação internacional com visita à Faculdade de avaliadores estrangeiros para entrevistas a alunos e professores, observação de instalações e análise de programas e procedimentos.
Para além de ser uma garantia de qualidade e transparência, que confere empregabilidade à licenciatura em Química Aplicada, a qualificação “Eurobachelor” garante aos licenciados uma mais fácil mobilidade internacional, por exemplo ao dar acesso a cursos de segundo ciclo (Mestrado) em outras instituições internacionais também certificadas com o “Eurobachelor”.
Informação detalhada sobre a certificação Eurobachelor® está disponível emhttp://www.eurobachelor.eu


Esta é a informação acerca do EuroBachelor da minha licenciatura, disponível no site da FCT, secção para candidatos. Mas desenganem-se os futuros alunos desta faculdade. Aparentemente há alguns desacordos em relação à importância deste "Label", com uma única justificação: "Não há nenhuma razão objectiva para dar importância a esse certificado.".

Se me levasse pelos sentimentos como antes, tinha extrovertido um misto de raiva e revolta para com tais afirmações. Leva a crer que a publicidade vale mais que o próprio currículo.

Ainda se perguntam porque será que há pouco sucesso escolar e poucos alunos.